Dalva Agne Lynch (Sarah)

Site oficial

Textos


Versão em português abaixo do inglês
 
 

From the book “Gehinnom”
Chapter VI  -  Gehinnom

 
 
 
The mission the Designs had entrusted me with went beyond the oncoming war and beyond all the succeeding wars. And to fulfill it I had to understand what had really happened in that piece of land called Afghanistan. Meaning, I needed to transport myself to the past, throughout the millenniums, so as to observe first hand everything that had happened.

When I say observe the past I don´t mean to observe only what History has to tell us, but also what the Holy Books have to tell us. That is, to understand what was going on now, the reason for the wars, the reason why the Earth was on a straight path towards its destruction since September 11, 2001, I had to travel through all the levels of Creation at the same time: the Real and the Spiritual. At the same time. And I also had to analyze a lot of stuff that weren´t  in the annals of History nor in the Holy Books – things that pertained only to my own personal story. It´s going to be complicated and painful and maybe you´d think I´m fantasizing or making it up, but I´m not. So let´s go:
 
Almost the entire territory of Afghanistan is inhospitable, full of mountains, arid, with caves on the mountain slopes and holes on the dry ground of huge rocky deserts. There´re milder regions of plains and plateaus but they´re few as are the rivers.
The mountains are very high with eternally snowy peaks. The Hindu-Kush chain which Alexander the Great made famous and is the one that matters to us here, is part of the Himalayas and it cuts through the country from the Northeast passing the Center, with peaks higher than seven thousand meters. Even now it has places completely uncharted, with caves and pits and holes that go deep into the earth.
           
 

Very near it is the territory considered by the Historians as being the “Cradle of Civilization”. It´s the Fertile Crescent where Israel, Jordan, Kuwait, Lebanon, Cyprus, parts of Syria, Iraq, Egypt, Turkey and Iran are today.



It was also there that in 3.761 BCE Hashem put the Garden of Eden and created in it the People, who´d carry in its own genetic profile, throughout the millenniums, the heavy burden of the Unutterable Verb. In the meantime, He had also created all the animals and plants, and the great mammals and reptiles and birds known to us as the Pre-Historic dinosaurs.
Of course History doesn´t register the presence of any humans on the Afghanistan territory until a little bit after the Flood. According to the Historians, the first to arrive were a few Indo-European nomad tribes who established themselves on the North and on the East at about 2.000 BCE. But they really arrived a bit before that – right after the Flood.
Later on, some Aryan tribes crossed the Gozan, the largest of the Central Asia rivers, known today as Amu Darya, and established themselves also there, in the region where Kabul is today. They brought their Veda Religion with them and that´s where their Sacred Book Rig Veda was written.
The Rig Veda was the first of all the Vedas, the Hindu Mantras, and all of the subsequent ones where based on it, including the most well-known of all – the Bhagavad Gita. The Rig Veda is the oldest book ever written in Sanskrit or in any other Hindu-European language. There are a lot of discussions among the Yogis and Hindu Scholars about when it was written but the modern Scholars date it around 1,500 BCE due to several discoveries recently made in India. Well, according to what I saw none of them were right and Afghanistan´s History can prove it. Just take a look at the Timeline right after this chapter and you´ll be able to see it also.
There´s only one tiny fragment left of the Rig Veda. Look at the picture below. The size of the pen can give you an idea of how small it really is.


 
Back to what we were talking about, for about 600 years the Aryans and Hindu-Europeans were the only ones living in Afghanistan and they coexisted peacefully. They planted wheat and barley, raised goats and sheep and even built two small urban centers where Kandahar is today.
However, our story doesn´t begin with Afghanistan´s first human inhabitants nor with the first humans, and not even with the Flood.
Our story begins with the creation of my own people, the People of Heaven, which happened on the exact same day as man´s creation.
 
There are several kinds of Celestial Beings, like Archangels, angels, cherubim, seraphim. However, the ones who resemble humans the most are the Archangels, because the rest of them doesn´t have gender, that means, they have no sex. The problem – which isn´t really a problem because Hashem has a purpose in everything – is that all the Archangels were men. There were no Archangel girls. So the Archangels were attracted to the human girls and from their union came the Heroes of Old – creatures half-human, half-Archangel, capable of great feats.
Every kind of Mythology on Earth mentions those Beings. Greeks and Romans called them demigods, American and Brazilian Natives called them Spirits of the Stars. Among the Hindus they were the Devas, among the African tribes they were the Orixas, the Vodum, the Nkisis. And so on and so forth, their presence is registered in every Continent and every Culture, none of them having had any contact with the others.
 
Everything seemed to be going according to the Designs and the People of Heaven got along relatively well with the humans, until something came to change everything. Later on we´ll talk about that, when we talk about Afghanistan´s History. But anyway, what happened was the reason for the Great War in Heaven in 3.000 BCE, when Michael and I had to throw Heilel down to Earth.

The first thing Heilel did as he arrived here was to teach men about Monotheism, that is, the belief in only one god. Everybody was Polytheistic until then, which means they believed in a multiplicity of gods. So Heilel used the People of Heaven´s Cosmology to put his religion together, which made Historians to conclude later on that all of the Monotheistic religions –Judaism, Christianity and Islamism – had come from it. The Greek Historian Herodotus was the first to register its existence, in the fifth Century BCE.
So Herodotus tells us that an Iranian prophet called Zoroaster, or Zarathustra, founded the first known Monotheistic religion in the Sixth Century BCE, but this isn´t true, and the History of Afghanistan very well proves it. If you take a look at the Timeline drawn by the American Government which is right after this chapter, you´ll be able to see it. Zoroastrianism and the Veda Religion were present in Afghanistan since about 1.900 BCE, that is, more than one millennium before Zarathustra compiled Heilel´s teachings.
Back to the story, the most important knowledge Heilel imparted to men, however, wasn´t Monotheism. You see, men had been created like us, Celestial Beings – with no knowledge of evil. Well, every Archangel had received knowledge only of the little he needed in order to be able to understand his own Essence. Like me, for instance – I had to know Indifference in order to understand Mercy and Love, and Uriel had to know Injustice in order to understand Justice and Retribution. However, men were just like all the other Celestial beings, with no perception of evil.
And what is that evil Heilel taught them? The evil he taught them was how easy it was to have more, be more, feel more –they just had to manipulate, dominate or eliminate whoever was in their way.
Smart as he was he also taught them it was better to choose good in order to live in peace with others – but that in choosing evil they could have more power, more pleasure and more riches, and reign over the people around them even if the people around them was only their little family. Like avid children, men in their primordial innocence quickly learned selfishness, greed, lasciviousness.
And that´s the gift of free choice: the ability to choose between good and evil, which until then belonged only to the Designs of Hashem – and to Heilel.
Heilel had fun watching men fight for the last piece of meat, the best places around the fire, the prettiest girls, as if all of that was some kind of amusing show. But for some reason he never grasped, it was more difficult to manipulate women than men. That was because he was unaware of the fact that every woman is created half angel, because she´s designed to be a mother. However, they became even more dangerous than men when they let themselves be seduced by greed and selfishness, and all of this also amused him.
So in order to punish women (and he had other reasons to do that) he copied what the Designs had decreed to the so-called first woman of the People (she really was the second – the first had been Lilith, whom Adam had exiled outside the Garden). That means, Heilel decreed that from then on all women would be submissive to men´s power and dependent upon them for their survival and safety as they cared for the children.
The difference was that Hashem gave the People a whole compendium of Laws about goodness, and that included how to respect, love, care and treat women and children. But Heilel gave no laws compelling men to care for them. That means, women and children were just men´s possessions, inferior even to camels and dogs and could be sold, discarded, raped and killed without any penalties.
All of that was passed on to the entire human race which multiplied, until evil became so desperately widespread the Designs had to intervene. And then the Great Flood came, in about 2.100 BCE.
Well, people tend to think the Flood is a Jewish-Christian myth and never trouble themselves into investigating the truth. The thing is that the Flood “myth” is present in every single belief throughout the entire Globe, from the Mayas and Aztecs to the most remote tribes of Africa; from the Brazilian Natives to the Asian peoples; from the American Natives to the Aryans and other Eurasian peoples. And the reason is that the World wasn´t divide in Continents like it is today, but the entire Earth was only one territory until the coming of a guy named Peleg, a descendent of Noah, of course, when the Earth was divided as it is today.
 
The Flood killed not only most of humankind but also all the Powerful Ones – the Nephilim, the Heroes, the dinosaurs. And when Noah and his family came down from the Ararat Mountain and began to multiply, they formed Kingdoms, Empires and Dominions.

However, soon the people began messing it all up all over again. They formed a strong and closed society a bit like the Twentieth Century ´s Communist regimes and just like them they put an end to all Religion. They saw themselves as indestructible and ended up building a huge Tower in the Valley of Shinear which should have been the symbol of their strength, ‘climbing up to the Heavens’. This Tower was situated in the region which was later on called Babylon and is known today as the North of Syria.
Well, that was it – Michael and I had to come down and take action. Our hosts destroyed the Tower and the Designs destroyed their arrogance, while destroying… their language. There´s a huge power in language, because everything has to be enunciated to exist, and language is the most powerful link among humans.
The result was that from that moment on the people was divided by language into 70 groups. Of course those groups ended up splitting, and that was the end of that great community.

But our story isn´t about the Fertile Crescent. Anyway, everything that happened there from then on – Babylon´s growth, Nimrod´s raise to power, and the whole story of Abraham and so on and so forth is in the Talmud and the Scholar´s Writings, or you can easily find them in Ancient History books and Internet sites. So let´s go back to our story in the Fertile Crescent´s neighborhood – Afghanistan.
 
The Historians have called Afghanistan “The Graveyard of Empires”, and not without reason. The amount of Empires and Dynasties that passed through their soil since primordial times is unbelievable, but none of them except one was able to impose their image and costumes on that piece of land´s inhabitants. None of them lasted. They were all defeated and left with their tails between their legs, and their cities and fortresses were laid waste. And the same happens even now, to the amazement of every Government that tries to conquer Afghanistan and implant their own laws and costumes on them. In Afghanistan every Empire gets buried. Literally.
The first of those giants who tried to conquer the Country was Scythia. Around 1.400 BCE the Scythians arrived from Eurasia through Persia (known today as Iran) on their gorgeous horses and established themselves on the North and West regions of Afghanistan. They became known among us – the People of Heaven and the People of the Verb – as “Ashkathas” or “Kathas”, and that´s why the Jews who established themselves in Eastern Europe after Israel´s dispersion of the Second Diaspora (the first was between 555 and 422 BCE) were called “Ashkenazzis”.

[1]
Many people around that region got converted to Judaism and intermingled with the People and that´s why we have now blond Jews with Aryan faces.
 
 
[2]

The Scythians were aggressive and rich nomad Zoroastrists and tried to take the best lands, which didn´t go well with the already existing tribes. And even if they remained in some places until 200 BCE, they were overthrown in the rest of Afghanistan by the Achaemenid Empire in 700 BCE.
Well, the Achaemenid Empire – the Persian Empire – is one of the most well-known in Ancient History and in the Holy Books. It became famous during its dominion due to its excesses, its extravagances, its wars, and it lasted until about 330 BCE. Its most prominent kings were Cyrus, Darius and Xerxes. I´ll not get into them because all of that didn´t happen in Afghanistan, which is what matters to us here, and also because you can read about them not only in all the annals of History but also in the People of the Verb´s Holy Texts – the Kethuvim
[3] and the Nevi´im[4] – which were written during that period and mention all those kings and the kind of society they lived in. You can also read about them in the books of the Prophets and stories in the Christian Old Testament, since Christians´ Holy Books contain a lot of stuff from the People of the Verb´s Scriptures.
What matters here is that before their fall the last of the Achaemenids´ Emperor, the last of the Darius, conquered almost the entire territory of Afghanistan, including Aria (today´s Herat), Bactriana (Mazar-i-Shariff), Drangiana (Sistan) and the Gandhara region (known today as Kabul, Jalalabad and Peshawar).
However, the Achaemenids suffered constant bloody uprisings from the tribes, especially the ones from Kandahar and Quetta, and the Empire came to an end in 332 BCE when Alexander the Great came to the Hindu-Kush Mountains.
Alexander had already conquered Babylon and the entire known world of his time, and he consolidated the Greek Empire in Afghanistan. And what happened during his four years´ reign there came to change not only the entire Historical course of the Earth but most importantly yet, its entire Spiritual course as well, and no Historian ever realized that. Because Alexander came face to face with Heilel and that was the final straw in the fall of the one who had been the most beautiful of all the Archangels.
 
Even with all of his power and fun controlling Empires Heilel wasn´t happy. Something was missing, something he had suppressed to the deepest parts of himself. And when he saw Alexander everything came back to him.
With his dark curls flowing around his face, his big deep dark eyes full of boldness and internal conflicts, Alexander uncannily resembled… me.
 
  
Airumã had once asked me if I also had girls during those times when the Archangels got crazy about the human girls and I told her I didn´t, because I was too involved with the Essence. And then I changed the subject. I had told her the truth, but not the entire truth. I didn´t tell her Heilel was the Essence´s embodiment – and I loved him.
            We were inseparable from the moment of Creation, two young teenage Archangels among all the others who were serious and grand adults. We played tricks on them, partied with our angels and wandered around the Universe looking for adventures. There was many a time when we´d fly over the surface of Planets, I planting flowers and forests and he throwing his glow over the waters, or transforming rocks into precious stones. He´d roguishly create new stars when one happened to vanish and then I´d give it different colors and textures to the Council´s displeasure. The Council was always reprimanding us.
“Dancing among the stars” wasn´t a metaphor to us. Many, many times we´d glide together in the blackness and silence of Space, surrounded by stars from every side, I with my rainbow wings throwing colorful rays around, he with his golden wings throwing brilliant rays. We´d make crazy drawings against the blackness, spirals and mandalas and complicated geometric figures and then we´d make them turn and turn and dance with us.
Other times we´d fly high on the Kingdom´s clear blue musical skies, dancing and singing like nuts until one or other of the Archangels would get mad and tell us to stop bothering the studies or talks of other people.
But most of the time we´d just wander about the woods of the Kingdom or the forests of the Earth, holding hands or one with the arm on the other´s shoulders, talking about a million things and making up stupid games. We´d also fight like cats and dogs, especially because of his crazy ideas about the humans, but we´d always end up making up again, hugging each other and running to do something stupid.
We were never interested in human girls and we didn´t even understand all the fascination they had over the other Archangels. We could see how they got screwed up when they were in love and it seemed idiotic to us. Many times one or another of them would seek me asking for healing and as I applied my rays on them I could feel all the despair and confusion they felt, so we thought all of that wasn´t worthy at all. Well, at least that´s what I thought. I didn´t know Heilel was hiding things from me with his free choice.
When he began entering into the paths of Darkness, he did all he possibly could to convince me to follow him but I couldn´t even begin to understand what all that fascination he had was all about. I wasn´t given to know evil, so power and supremacy didn´t make any sense to me.  I tried to dissuade him, spent days and nights crying and imploring he wouldn´t embroil himself into that dark Kingdom´s paths, but to no avail.
One day, as we´re walking in the woods, one with the arm over the other´s shoulders, he suddenly stopped, pulled me towards him and began to kiss me. It was ok – we always kissed. But that time it was different. It wasn´t a brother´s kiss, like the ones you give in someone´s cheek. He covered my mouth with his and opened my lips with his tongue and kissed me. I kissed him back, thinking it was fun, but then he pulled me closer and began rubbing himself against me. I felt him growing with excitement and he began panting so I got away and looked at him without understanding what was going on. He had his eyes closed so he just tried to pull me back and kiss me again but I gave him a shove. He opened his eyes and looked at me. A shadow passed over his blue eyes and I suddenly didn´t recognize him.
What´s the matter, Heilel? Why are you doing this?
He came closer and tried to hug me again but I stepped back and his arms fell down along his body. His eyes were back to normal and his face was the picture of despair, just like the faces of all the other Archangels when they needed my healing rays.
“Why are you refusing to love me, Tzadkiel?”
But I love you! More than anything ever created!
“Not enough to love me to the end!”
But my love, I can´t control what my body feels!
“Yes you can! What are your rays for?”
I looked at him without understanding. I knew he had knowledge of things I didn´t, but about myself? Since when someone´s story was told to another? Then I remembered he was the Essence´s embodiment – the entire Essence. Nothing was hidden from him.
What do you mean?
But he didn´t answer me. He threw his head back and laughed – not his beautiful laugh which sounded in the Kingdom like crystals in the wind, but a crazy, mad laughter. I felt something cold going down my spine, like something was about to happen. Something I had never felt before. He stopped laughing and faced me.
“So that´s it? Your answer is no?”
I shook my head from side to side trying to clear my thoughts.
My love, I can´t choose the things I feel! I love you but I can´t feel like that! Why didn´t you tell me about it before?”
“Because I didn´t know it.”
And how did you come to know it?
“That´s none of your business.”
It was them, wasn´t it?
He laughed that crazy laugh again.
“Don´t you recognize your own gift when you see it, god of love?”
Heilel, I didn´t create that in you. Don´t you come and tell me it´s my fault!
Fault? Do you think love is something wrong? If so then everything you are is wrong!”
I shook my head again. He was confusing me with his arguments. I didn’t know how to answer simply because what I perceived in him wasn´t love. It wasn´t that wonderful thing the other Archangels had with humans, or the humans had among them. That sexual force which compelled them to unite and produced an ecstasy that took them for a few moments into Ein Sof.
What I could perceive in Heilel was only a desire for possession. As if he wanted to subject me. Subject the power of love with the power of will.
What you´re feeling isn´t love, Heilel. You want me to love you to the end because you want me to subject myself to you.
“And isn´t it the same thing? Isn´t love submission and dominion?
It´s not like that! You´ve learned it all wrong! They taught you everything wrong and I can´t follow your feelings because I can´t feel wrongly!
“So it´s like that, isn´t it? And what if I was one of those Earth girls? Would that be wrong also?
It would be also wrong, my love! Can´t you see it? It´s not a question of what you are or what I am! It doesn´t matter if it´s male or female gender, if it´s human or Angelic species!
“So what is it then?”
It´s that… that… Sexual love is more or less like… Like not being what you are anymore, and wanting to be part of a whole that goes beyond the two persons!
“So it´s the same thing! Like I said, love is submission and dominion!”
What are you talking about! It has nothing to do with that! There´s no dominion, stupid! There´s only submission! Both need to submit themselves to something greater, can´t you understand that?
“Don´t be naïve, Tzadkiel! There´s no submission without dominion! It´s all about duality, but you don´t understand a thing about duality!”
But… But that´s what love is, Heilel… Giving up duality… To be one with someone else… At the same level, with the same intensity… Or you can´t enter Ein Sof!
“And who wants to enter Ein Sof? I AM Ein Sof!
No you are not! You´re the representative of Ein Sof, like… Like an envoy from a country is the representative of that country, he isn´t the country!
“Don´t be dumb, Tzadkiel! This is a whole bunch of crap they taught us to enslave us to Hashem!”
 You´ve learned that with them, haven´t you? With the Creatures of Darkness?
“This and a lot more. The other creeps can accept to be pawns of Forces calling themselves superior but not me! I choose to be superior! I am free!”
No you are not, my love… You are a prisoner of yourself…
“Ok. Whatever. But I´m offering freedom, moron! Feeling without being imprisoned! Are you going to refuse that?”
I didn´t know how to argue. The only thing I knew was how to feel and how to perceive feelings. And what I could perceive in him wasn´t love, neither was it freedom. It was a dark and endless prison.
If you choose that path I can´t go with you, my love…
“Is that final? You said you loved me more than anything else! How can you love me and not yield to me?”
Love isn´t yielding, Heilel… It´s walking together… Like one…
“So that´s your answer? It´s a no? Totally?”
I stretched my arms towards him and stepped closer but he stepped back, and that shadow passed over his eyes again.
I love you, Heilel… But you can´t have power over me because nothing and no one can have power over… Over my Essence!
“Are you forgetting who I am?”
My love… You´re forgetting who I am!
He suddenly stopped, pursed his lips… And vanished.
I walked slowly back to the Fountain Garden trying to understand what had happened and searched for him in the communication chain but couldn´t find him. He had barred me. I asked several of the others but no one could find him. They all laughed thinking it was one of our games, until I asked Uriel and he didn´t laugh. He was suddenly by my side, together with Michael.
“What happened, Tzadkiel?”
I let them read my thoughts and see everything that had happened. They looked at each other and opened the communication with everyone else. No one was able to find him, so we decided to wait.
Those two days were terrible. I´d never been away from Heilel for too long, except recently, when he´d disappear for a couple of hours into the Darkness. We had been created together, one a perfect copy of the other, one perfectly mirroring the other, like two halves of a whole. He had the Shekinah´s brilliance, I had Its colors. We had the same face, the same body, different only in eyes and hair, and that´s what made him the most beautiful of the Archangels. His eyes were sparkling blue, mine were dark; his hair was very long, straight and blond like threads of gold, mine was shorter, dark and curly.



When Nature got mad and something happened on Earth, we were both sent to administer Tikkun – restoration, regeneration. When any Creature from the Darkness threatened the Kingdom, we were put at the front of all the defensive hosts, because before warring we must first love and illuminate.
And now I was alone. I barred everybody and went to walk aimlessly in the woods, without knowing what to think – and suddenly Uriel was by my side and took me to the Council. They were all there together and turned towards me.
“Tzadkiel, the unthinkable has happened!”
I got confused and scared but immediately felt the Shekinah falling over me like a mantle, enfolding me in a cocoon of Light and forcing my rays out of my fingers and around my entire body. It was like being submerged in an ocean of peace, surrounded by blue and gold. Then Metatron let me know what had happened.
“Heilel gave all the secrets to humankind, Tzadkiel. Now men are like Hashem, knowing good and evil.”
And what are we going to do?
“Son, Heilel has to be eliminated before he destroys the entire Creation!”
No! He can change, I know he can! It´ll not come to that!
“It already did, Tzadkiel. He´s gathering all the Creatures of Darkness to throw them to Earth. And we have to gather our hosts and stop him!”
 An Archangel has no choice even if his heart is broken. In a matter of minutes my hosts were in formation together with all the other hosts of Heaven, to fight for the humans.
On Earth, they were probably seeing the greatest storm ever, with lightning and thunder cutting the night. But it wasn´t a storm. It was the Great War in Heaven. And in front of all the hosts was Michael with his Sword of Light… and me, alone with the Shekinah´s Banner. 
 
The terrible monsters of Darkness fell over us with all their might, but no one is a match for the Immortals. We decimated them. But... Where were Heilel and his angels? They were Immortals! In fact they were the only danger. When the last of the Creatures of Darkness fell, Heilel advanced against us, more beautiful than ever in his wrath.
I didn´t want to see my beloved being destroyed. When both armies were almost against each other, I run with my angels and stood in front of him. Metatron reprimanded me in the communication chain. He was furious.
 “Tzadkiel, get out of the way! He has to be destroyed!”
I was in tears of despair.
So let him be exiled! With no communication, no wings, no Divine Light! Take away from him all of his garments, all of his powers, but not his existence – or destroy me together with him!
There was silence in Heaven. They cut my communication and for a few moments I really thought I was going to be eliminated with Heilel. Then suddenly all hosts began moving and they passed by me and my angels and circled Heilel from all sides. His angel were immobilized and he was thrown to the ground naked, his wings broken, his gorgeous hair spread around his head, eyes closed, totally still.
I wanted to run to him and pick him up and shake him and bring him back to life with my healing rays, but Metatron held me back.
“The Designs heard your pleas, Tzadkiel. They´ll not be eliminated. Heilel´s Heavenly powers were taken away, and now it´s up to you and Michael to exile him to some place on Earth that´s of difficult access so he and his hosts don´t go all over the Planet destroying everything.”
So Michael and I exiled them to the most inhospitable region of the entire Earth, the one that seemed like the most inaccessible, empty, useless and without resources.
We exiled them to the Himalayas, to the region of the Hindu-Kush Mountains. And we called it…
 
Gehinnom.
[5]
 


I was alone and abandoned from that moment on. There´d be no more dancing, nor silly games nor laughter and nonsense talks.
Throughout the millenniums, when I wasn´t busy restoring the Earth or battling with Michael against the Creatures of Darkness (because others were raised in place of the ones we had eliminated, like a cancer), I wandered alone through the woods of the Kingdom or the forests of the Earth, writing and chanting poems which I whispered later on into the People of the Verb´s ears – and they became Psalms and Prayers and Blessings. The other Archangels perceived my sadness through the chain of communication but couldn´t find words to comfort me.


 
When I was born as a human I used to roam the woods alone since I was about five years old. Uriel advised my mother to let me be and that´s when Alice, my Astral sister, showed herself and came to walk with me and try to lessen my loneliness.
[6]
But nothing helped. I came to learn to laugh and play only when I turned nine and met Airumã. And even though she didn´t fill that terrible void inside me which I didn’t even know had been caused by Heilel, that void at least became bearable.
That´s similar to what a mother feels when she loses a child. Other children may bring her happiness but that empty void inside her heart remains. Because no one can take the place of a loved one who´s gone – his place inside us remains, now filled with memories.
 
The worst was that the Council couldn´t figure out how I had been able to go against their decision and defended Heilel. After all, Archangels don´t rebel – only Heilel had free choice. What saved me from having his same fate was the fact that Uriel had defended me and the Designs had ordered the Council to heed my pleas. Even so I was put under surveillance and later on put under Uriel´s guardianship, and the rest I´ve already told you in another place.
            And it was only now, almost five thousand years later and after everything I had gone through as a half-human and during my times in the Army that I came to understand why I had the freedom to rebel when no other Archangel had it.
I had put Heilel in an unbearable situation when I rejected him. In his confusion, he thought he had only two choices: the power of love of my Essence, or the power of freedom of the Darkness. He was obsessed by power. And he chose the second option for only one reason: in his own understanding, I had denied him the first. After all, just as I couldn´t understand power and greed, he couldn´t understand love and friendship. For him love was passion, desire, to submit or being submitted. And because he was Shekinah´s very impersonation, he knew that which I didn´t: my Essence was the greatest power ever created.
And that was the reason why I was able to rebel against the Council: I had been moved by love. The greatest power in the entire Universe.
So that´s what I learned as I watched what was going on between Heilel and Alexander.
As beautiful and perfect as Heilel was, Alexander never truly loved him. All had been a moment of passion for him and his true love was Hephaestion, his second in command and his childhood friend.
[7]
Now, Heilel couldn´t understand how could Alexander choose an older man, scarred and tired from wars, over his own exuberant youth and his gorgeous beauty. So he did what many rejected lovers dream of doing: In October, 324 BCE, he poisoned Hephaestion and brought him to his death.
There´s a lot of controversy among Historians regarding the causes of Hephaestion´s death. He had been sick for a week and was already recuperating. Some say it was a perforated ulcer, others agree it was poison. But what matters is that his death had a deep effect on Alexander – and the opposite of what Heilel had envisioned. Alexander fell over his beloved´s body and got up at the end of the day only because his commanders dragged him away.
In his suffering he decreed mourning and forbade any kind of music in all the cities around. He ordered all the horses to be shed and their tails cut off, and executed the physician whom he thought had failed caring for Hephaestion. He then shaved his own curls and took his beloved´s body to Babylon, where he ordered the construction of the largest funeral pyre ever built, and Hephaestion was cremated holding one of his curls in his hand. He then decreed his beloved should be worshiped as a god throughout all of his Dominions.
From then on Alexander shut himself in pain, dying eight months later, in June 10, 323 ACE, at the age of 32. And he died not crying because there was no more worlds to conquer, as the Historians suggest, but because he had lost the person he loved the most.
Heilel was completely out of his mind. He thought Alexander would seek him when Hephaestion died. He, who had been the most beautiful among the Archangels, who was considered a god among men, was twice defeated by the power of love. Full of hate, he raised his fists and shouted, challenging the Designs.
“I will ascend into Heaven, and set my throne above the stars of Hashem! I will sit on the mount of the Council, in the pinnacle of the Kingdom! I will ascend in a cloud and be like the Most High!”
[8]
From that moment on, Heilel´s hosts suffered a terrible transformation. His angels became dark, sinister, cruel. Later on, men gave them the name of Demons of Goetia, which means demons of Witchcraft, Magick, Deceit. They began being evoked through complicated rituals and sigils and helped men in all their mortal Arts of War and Magick. They were also very treacherous and frequently turned against the ones who had evoked them and destroyed them, so their rituals began being performed only by those who had studied their science and the paths of the stars and the passing of the seasons: the Magi.
With time those Magi were divided in two kinds, some of them keeping with the same practices and evocation rituals, others abandoning the Goethic Demons to seek the Divine in asceticism, introspection and self-love. This self-love doesn´t mean self-esteem but rather to love oneself above everything else because the Divine is inside you so you´re god. They were the ancestors of the Persian Dervishes and the Sufi Magi. The Christian Bible mentions them when it talks about the birth of their god Jesus – they were the Magi coming from the East, bearing gifts to the baby whose birth they had seen on the stars.
With everything that had happened, Heilel lost his youthful expression of excitement  and joy. He became ironic, sarcastic, full of scorn, incapable of smiling or weeping. He forged himself a sword and imbued it with the destruction powers of Darkness in order to penetrate with it the core of men, causing barrenness and transforming them into ghosts, hurting one spirit at a time, creating empty deserts. And those deserts would destroy others, who´d destroy others, in an almost infinite chain.
Those ghost-men, later on named Dokis by the Russians in Afghanistan, began hiding themselves in holes on the rocks and in the caves of the Hindu-Kush Mountains, armed with scimitars and knives, their faces and heads covered with long shawls, and they´d glide in the dark of the night around the villages attacking the populations to loot, rape and rob.


 
In the meantime, in his fury against Hashem and the Designs, Heilel launched a real crusade against the People of the Unutterable Verb, inciting his ghost-men (since he and his hosts couldn´t leave the Hindu-Kush region) to pursue them and eliminate them in all of the neighboring territories. It seemed like an easy task – an enormous amount of experienced and armed men against a bunch of shepherds and farmers without a country – but it wasn´t. Even in exile due to their disobedience to the Designs, the People still had in their midst the Sages who kept the Verb, and the little ones who bent over the Laws to study them. And for the love of them Hashem didn´t allow the People to be eliminated.
 
 
 
Versão em português
 
 


Do livro “Gehinnom" 
Capítulo VI – Gehinnom

 
 

 
A missão que os Desígnios me haviam confiado ia além da guerra que se preparava, e além de todas as guerras que se sucederiam. E, para cumpri-la, eu precisava entender o que realmente havia se passado naquele pedaço de terra chamado Afeganistão. Eu precisava me transportar ao passado, através dos milênios, para poder examinar em primeira mão tudo o que ocorrera.
Quando falo sobre examinar o passado, não estou falando em examinar apenas o que nos conta a História, mas também o que nos contam os Livros Sagrados. Quer dizer, para compreender os fatos atuais, a razão das guerras e o motivo pelo qual a Terra, a partir do ano de 2001, estava em linha reta rumo à destruição total, eu precisava viajar por todos os níveis da Criação: o Real e o Espiritual. Ao mesmo tempo. E precisava também analisar muita coisa que não está nem nos anais da História, nem tampouco nos Livros Sagrados. Coisas que pertencem apenas à minha história. Vai ser complicado e doloroso, e talvez você pense que estou fantasiando, ou inventando, mas não estou. Então mas vamos lá:
           
Quase toda a terra do Afeganistão é inóspita, montanhosa, árida, cheia de cavernas nas encostas e buracos no solo seco dos imensos desertos rochosos. Há regiões mais amenas, de planícies e platôs, mas são poucas, como são poucos os rios.
As montanhas são altas, com picos eternamente nevados. A cadeia Hindu-Kush, que Alexandre o Grande tornou famosa e é a que interessa à nossa história, faz parte dos Himalaias e corta o país do Nordeste ao centro, com picos de mais de sete mil metros de altura. Há partes dela que ainda são completamente desconhecidas, com cavernas e poços e buracos que se estendem terra adentro.
 
 
 
Bem próximo a essa região, para além da terra Afegã, está o território considerado pelos Historiadores como o “Berço da Civilização”. É o Crescente Fértil, onde hoje estão os Estados de Israel, Jordânia, Kuwait, Líbano, Chipre, partes da Síria, do Iraque, do Egito, da Turquia e do Irã.
 

 
Foi também ali que Hashem colocou o Jardim do Éden, em 3.760 AEC
[1], e criou um Povo que deveria levar pelos milênios afora, em sua própria carga genética, o pesado fardo do Verbo Impronunciável. E enquanto isso, Ele também havia criado, por toda a Terra, os animais e plantas, bem como os grandes mamíferos, répteis e pássaros que conhecemos como os dinossauros da Pré-História.
Interessante é que, até um pouco depois do Dilúvio, a História não registra a presença de quaisquer humanos no território do Afeganistão. Os primeiros a chegar, segundo os Historiadores, foram umas poucas tribos nômades de origem Indo-Europeia, que se estabeleceram no Norte e no Leste, mais ou menos no ano de 2.000 AEC, assim dizem eles. Na verdade, elas chegaram algum tempo antes disso – logo depois do Dilúvio.
Um pouco mais tarde, algumas tribos Arianas cruzaram o rio Gozan, hoje conhecido como Amu Darya, o maior da Ásia Central, e também se estabeleceram no país, inclusive na região onde hoje está a cidade de Kabul.
As tribos Indo-Europeias trouxeram consigo a religião Veda, e foi ali que o seu Livro Santo, o Rig Veda, foi escrito. Esse foi o primeiro dos Vedas, os livros de Mantras do Hinduísmo, e todos os demais se basearam nele, inclusive o Bhagavad Gita, que é o mais conhecido no Ocidente. Ele inclusive é o mais antigo de todos os livros escritos em Sânscrito ou em qualquer outra linguagem indo-europeia. Os Yogis e Estudiosos Indianos debatem muito sobre a sua data de origem, mas os Estudiosos Ocidentais modernos o colocam em mais ou menos 1.500 AEC, devido a diversas descobertas feitas na Índia. Bom, segundo fiquei sabendo, nenhum dos dois estava certo, e a História do Afeganistão prova isto. Veja a linha de tempo no fim deste capítulo, e você verá.
Do Rig Veda só sobrou um pequeno fragmento. A figura abaixo, com uma caneta ao lado, pode lhe dar uma ideia de como ele é mesmo pequeno.
 

 
Voltando ao que estávamos falando, durante uns seiscentos anos, os Arianos e os Indo-Europeus foram os únicos habitantes da região, e se mesclaram pacificamente. Eles plantavam trigo e cevada, criavam cabras e ovelhas, e até mesmo erigiram dois pequenos centros urbanos na região que é hoje Kandahar.
Nossa história, contudo, não começa com os primeiros habitantes do Afeganistão, ou com o surgimento dos primeiros humanos, nem tampouco com a escolha do Povo do Verbo Impronunciável ou mesmo com o Dilúvio.
Nossa história começa com a criação do meu povo, o Povo dos Céus, que ocorreu exatamente no mesmo dia da criação dos homens.
Há muitas espécies de Seres Celestiais, como Arcanjos, anjos, Querubim, Serafim. Contudo, os que mais se assemelham aos homens são os Arcanjos, porque os demais Seres não possuem gênero, quer dizer, não possuem sexo. O problema, que na verdade não foi problema, já que Hashem tem um propósito em todas as coisas, é que os Arcanjos eram todos homens. Não havia Arcanjos mulheres. Eles então se sentiram atraídos pelas mulheres humanas, e da união deles surgiram os Heróis da Antiguidade, Seres metade homem, metade Arcanjo, capazes de grandes feitos.
A Mitologia de todos os povos da Terra menciona esses Seres. Os Gregos e os Romanos os chamaram de Semideuses, os Nativos Americanos e Brasileiros de Espíritos das Estrelas. Entre os Hindus eles eram os Devas, entre os Africanos eram os Orixás, os Voduns e os Nkisis. E assim por diante, em cada continente, em cada cultura, uma totalmente separada da outra, a presença desses seres está registrada.
 
Tudo parecia estar correndo conforme os Desígnios, e o Povo dos Céus se relacionava relativamente bem com os humanos, até que algo veio a mudar tudo. Vamos ver isto mais tarde, no decorrer da história do Afeganistão. Mas, seja como for, o que aconteceu foi o motivo da Grande Guerra dos Céus, quando Miguel e eu lançamos Heilel à Terra, no ano de 3.000 AEC.
Ao chegar aqui, uma das primeiras coisas que Heilel ensinou aos homens foi o Monoteísmo, ou seja, a crença em um único deus. Até então, todos eram Politeístas, quer dizer, acreditavam numa multiplicidade de deuses. Ele se utilizou da Cosmologia
[2] do Povo dos Céus para montar sua Religião, o que fez os Historiadores concluírem que todas as demais Religiões Monoteístas, ou seja, o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo, haviam se originado dela. O Historiador grego Heródoto foi o primeiro a registrar sua existência, no século cinco AEC.
Heródoto relata que, um século antes, quer dizer, em seis AEC, um profeta Iraniano chamado Zoroastro, ou Zaratustra, havia fundado a primeira Religião Monoteísta de que se tinha conhecimento. Mas isso não é verdade, e a História do Afeganistão nos prova que Zaratustra apenas compilara os ensinamentos de Heilel.
Antes de Zaratustra, a religião de Heilel se chamava Masdeísmo, e havia transposto as fronteiras do Afeganistão, e era a religião dos Persas das regiões vizinhas. Se você observar a figura da Linha do Tempo que está depois deste capítulo, você poderá constatar o que estou dizendo. O Zoroastrismo (Masdeísmo) e a religião Veda estavam presentes no Afeganistão desde mais ou menos 1.900 AEC, quer dizer, mais de dois milênios antes que Zaratustra compilasse seus ensinamentos.
Voltando à vaca fria, o mais importante dos conhecimentos que Heilel passou aos homens, contudo, não foi o Monoteísmo. Veja bem: os homens haviam sido criados como nós, os Seres Celestiais – sem o conhecimento do Mal. Melhor dizendo, cada Arcanjo recebera o conhecimento apenas do pouco que precisava para compreender a própria Essência. Como eu, por exemplo, que precisei conhecer a indiferença para entender a Misericórdia, ou Uriel, que precisou conhecer a injustiça para entender a Justiça. Os homens, contudo, bem como os demais Seres Celestiais, não tinham a menor percepção do Mal.
E o que vem a ser esse Mal que Heilel lhes ensinou? O Mal que ele lhes ensinou foi como era fácil ter mais, ser mais, sentir mais. Bastava apenas manipular, dominar ou eliminar quem estava em seu caminho.
Esperto como era, ele lhes ensinou também que era melhor escolher o Bem, para viver em paz com quem os cercava, mas que, escolhendo o Mal, eles poderiam ter mais poder, mais prazer e mais riquezas, e reinar sobre os demais, mesmo se os demais fossem apenas uma pequena família.
Na sua inocência primordial, como crianças ávidas, os homens rapidamente aprenderam o egoísmo, a ganância, a lascívia. E este é o dom do livre arbítrio: a possibilidade de escolher entre o Bem e o Mal, que antes cabia apenas aos Desígnios de Hashem – e a Heilel.
Heilel se divertia observando os homens se digladiarem pelo último pedaço de carne, pelo melhor lugar à beira do fogo, pelas meninas mais bonitas, como se tudo aquilo fosse alguma espécie de show. Mas, por algum motivo que ele nunca conseguiu entender, era mais difícil manipular as mulheres do que os homens. Isto porque ele desconhecia que toda mulher é criada metade anjo, porque está destinada a ser mãe. Contudo, quando elas se deixavam seduzir pela ganância e o egoísmo, tornavam-se ainda mais perigosas e poderosas que os homens, e isso também o divertia.
Então, para castigar as mulheres (e ele tinha outras razões para isso), ele copiou o que os Desígnios haviam decretado à assim-chamada primeira mulher (na verdade ela foi a segunda. A primeira foi Lillith, que Adão exilou fora do Jardim). Quer dizer, Heilel decretou que, a partir daquele momento, as mulheres ficariam submissas ao poder masculino, e dependentes do homem para sua sobrevivência e segurança, enquanto cuidavam dos filhos.
A diferença é que Hashem deu ao homem todo um compêndio de Leis sobre o Bem, e isto incluía como respeitar, amar, cuidar e tratar mulheres e crianças. Mas Heilel não deu lei alguma que obrigasse a homem a cuidar delas. Quer dizer, tanto as mulheres quanto as crianças eram apenas objetos de posse dos homens, inferiores até mesmo a um camelo ou um cachorro, e podiam ser vendidas, descartadas, violentadas e assassinadas sem penalidade alguma.
Tudo isso foi foi absorvido pela humanidade que cobria a Terra, até que a maldade se tornou tão desesperadamente grande, que os Desígnios precisaram intervir. E então veio o Grande Dilúvio, mais ou menos em 2.100 AEC.
Agora, as pessoas tendem a pensar no Dilúvio como um Mito judaico-cristão, e nunca se dão ao trabalho de investigar a verdade. A coisa é que o ‘Mito’ do Dilúvio existe em cada crença através do Globo inteiro, dos Maias e Astecas às tribos mais remotas da África; dos Indígenas Brasileiros aos povos Asiáticos; dos Nativos Americanos aos Arianos e demais povos da Eurásia
[3]. E isto porque o Mundo, naquela época, não era dividido em continentes. Toda a Terra estava junta, e só veio a se separar na época de um sujeito chamado Peleg, claro que descendente de Noé.

Voltando ao assunto, o Dilúvio matara não apenas quase toda a humanidade, mas também todos os Poderosos – os Nephilim, os Heróis, os dinossauros. E quando Noé e sua família desceram do Monte Ararat eles voltaram a se multiplicar por toda a Terra, formando Reinos e Impérios e Domínios.
E logo os homens começaram a fazer besteira, como já afirmei. Eles formaram uma sociedade forte e fechada, mais ou menos como os regimes comunistas do século XX, e, bem como esses regimes, eliminaram toda e qualquer Religião. Eles se consideravam indestrutíveis e terminaram construindo no Vale de Shinear uma enorme Torre, que seria o símbolo de sua força, ‘subindo até os Céus’. Ela ficava na região que se chamou Babilônia, e que hoje conhecemos como o Norte da Síria.
Bom, não deu outra. Miguel precisou descer (e eu com ele) e tomar providências a respeito. Nossas Hostes deitaram a Torre por terra, e os Desígnios destruíram a arrogância daquele povo, destruindo... Sua linguagem. Há um enorme poder na linguagem, porque tudo precisa ser enunciado para existir, e, entre os homens, ela é um dos mais fortes elos de união. Em consequência, a partir daquele momento, o povo do Crescente Fértil ficou dividido pela linguagem em 70 grupos.  Esses grupos terminaram por se separarem, é claro, e a grande potência se desfez.

Mas nossa história não é sobre o Crescente Fértil. De qualquer maneira, tudo o que ocorreu lá a partir daí, quer dizer, o crescimento da Babilônia, a subida de Nimrod ao poder e toda a história de Abraão, etc., está no Talmude e nos Escritos dos Sábios, ou pode ser facilmente encontrado em livros de História Antiga e sites da Internet. Quer dizer, vamos voltar à nossa história, no território vizinho ao Crescente Fértil – o Afeganistão.
 
O Afeganistão foi chamado pelos Historiadores de “O Cemitério de Impérios”, e com razão. A quantidade de Impérios e Dinastias que passou por seu solo é inacreditável, mas nenhum deles, exceto um, conseguiu impor inteiramente seus costumes aos habitantes daquele pedaço de terra. Nenhum deles perdurou. Todos foram derrotados, e saíram com o rabo entre as pernas, e suas cidades e fortalezas foram deitadas por terra. E isto continua até hoje, para o espanto de cada governo que tenta conquistar o Afeganistão, e implantar ali suas próprias leis e costumes. No Afeganistão todo império se enterra. Literalmente.
O primeiro desses gigantes que tentaram conquistar o país foi a Cítia. Por volta de 1.400 AEC, os Citas chegaram da Eurásia através da Pérsia, hoje conhecida como Irã, montados em lindos cavalos, e se estabeleceram nas regiões Norte e Oeste.
Entre nós, o Povo dos Céus e o Povo do Verbo, eles ficaram conhecidos como ‘Ashkatas’, ou simplesmente ‘Catas’, e é por isto que os Judeus que se estabeleceram na Europa Oriental na chamada Segunda Diáspora (a primeira se deu nos anos entre 555 e 422 AEC), foram chamados de ‘Ashkenazzis’, ou ‘Asquenazitas’.
 
[4]
 
Muitos dentre os povos daquelas regiões se converteram ao Judaísmo e se interligaram ao Povo, dando origem aos Judeus loiros, de feições arianas.
 
 
[5]

Os Citas eram Zoroastristas nômades, agressivos e ricos, e tentaram dominar as melhores terras, o que não caiu bem com as tribos já existentes. E ainda que tenham continuado a dominar em alguns territórios até 200 AEC, no resto do Afeganistão eles foram suplantados pelo Império Aquemênida, ou Persa, em torno de 700 AEC.
Agora, o Império Aquemênida – o Império Persa – foi um dos que ficaram mais famosos, tanto na História quanto nos Livros Sagrados. Durante o seu domínio, ele primou por seus excessos, suas extravagâncias e suas guerras, e durou até mais ou menos 330 AEC. Seus mais conhecidos reis foram Ciro, Dario e Xerxes. Não vou falar sobre esses reis porque tudo aquilo não ocorreu no território do Afeganistão, que é o que nos interessa aqui, e também porque não apenas podemos ler a respeito deles em todos os anais da História, mas os textos sagrados do Povo do Verbo, os
Kethuvim[6] e os Nevi´im[7], foram escritos durante aquela época, e mencionam seus reis e o tipo de sociedade em que viviam. Você também pode ler a respeito na Bíblia Cristã, nos livros dos Profetas e nas histórias do Antigo Testamento, já que os Livros Sagrados dos Cristãos  contêm muita coisa das Escrituras do Povo do Verbo.
O que nos interessa é que, antes da queda do Império Aquemênida, o último dos Darios tomou quase todo o Afeganistão, inclusive Aria (Herat de hoje), Bactriana (Mazar-i-Shariff), Drangiana (Sistan) e a região de Gandhara (hoje Kabul, Jalalabad e Peshawar). Contudo, os Aquemênidas sofriam constantes e sangrentas revoltas por parte das tribos, especialmente as de Kandahar e Quetta, e o Império teve fim no ano de 332 AEC, quando Alexandre o Grande chegou às montanhas de Hindu-Kush.
Alexandre já havia conquistado a Babilônia e todo o mundo então conhecido, e consolidou o Império Grego no Afeganistão. A partir daí, o que aconteceu nos quatro anos de seu reinado naquela região veio a mudar todo o curso espiritual da Terra, e jamais Historiador algum se apercebeu disto. Porque Alexandre se encontrou cara a cara com Heilel, e isso foi a gota final na queda daquele que havia sido o mais belo dos Arcanjos.
 
Com todo seu poder e toda sua diversão dirigindo Impérios, Heilel não estava satisfeito. Algo lhe faltava, algo que ele havia suprimido no mais fundo de si. E quando se deparou com Alexandre, tudo lhe veio à tona.
Com seus cachos escuros caindo ao redor do rosto , grandes olhos escuros e fundos, e sendo cheio de audácia e conflitos internos, Alexandre se assemelhava estranhamente... A mim.
 
    
 
Certa vez Airumã me perguntou se eu também tivera mulheres, naquela época em que os Arcanjos ficaram loucos pelas meninas humanas. Eu lhe respondi que não, porque estava ocupado demais com a Essência, e daí mudei de assunto. Eu lhe disse a verdade, só que não toda a verdade. Não lhe contei que Heilel era a personificação da Essência – e eu o amava. 
Fomos inseparáveis desde o momento da Criação, dois Arcanjos adolescentes em meio aos demais, que eram todos adultos sérios e cheios de pompa. Nós pregávamos peças neles, fazíamos bagunça com nossos anjos, e percorríamos o Universo à cata de aventuras. Muitas vezes, sobrevoávamos a superfície dos Planetas, comigo plantando flores e ele lançando seu brilho nas águas, ou transformando rochas em cintilantes pedras preciosas. Maroto, ele criava novas estrelas quando alguma se esvaía, e eu lhes dava cores e texturas diferentes, para o desgosto do Conselho. Nós dois estávamos sempre recebendo xingão do Conselho.

“Dançar com as estrelas” não era nenhuma metáfora para nós. Muitas e muitas vezes deslizamos juntos pelo escuro e o silêncio do espaço, cercados de estrelas por todos os lados, eu com minhas asas de arco-íris lançando raios coloridos, ele com suas asas cintilantes lançando raios dourados. Desenhávamos figuras malucas contra o breu, espirais e mandalas e complicadas formas geométricas, e fazíamos com que girassem e dançassem conosco.     
Outras vezes nos elevávamos ao azul claro e musicado dos Céus do Reino, dançando e cantando feito malucos, até que algum dos outros Arcanjos se zangasse e nos mandasse ficar quietos, porque estávamos perturbando os estudos ou as conversas das outras pessoas.
Mas na maior parte do tempo, simplesmente vagávamos juntos pelos bosques do Reino ou os bosques da Terra, um com o braço nos ombros do outro, ou de mãos dadas, jogando conversa fora e inventando brincadeiras bobas. Também brigávamos como gato e cachorro, principalmente devido às ideias malucas que ele tinha em relação aos homens, mas sempre terminávamos nos abraçando, e daí correndo para fazer alguma doidice.
Nunca nos interessamos a mínima pelas meninas humanas, e nem entendíamos qual era toda a fascinação que elas exerciam sobre os demais Arcanjos. Nós víamos como eles entravam em parafuso quando se apaixonavam, e aquilo nos parecia totalmente estúpido. Muitas vezes, alguns me procuravam pedindo cura, e eu sentia, ao aplicar-lhes meus raios, todo o desespero e confusão em que estavam, então achávamos que tudo aquilo realmente não valia a pena. Pelo menos era o que eu achava. Não sabia que Heilel, com seu dom de livre arbítrio, escondia coisas de mim.
Quando começou a penetrar pelos caminhos das Trevas, ele fez de tudo para me convencer a segui-lo, mas eu não conseguia entender qual era o fascínio que elas exerciam sobre ele. Não me fora dado conhecer o Mal, então poder e supremacia não faziam o menor sentido para mim. Tentei dissuadi-lo, passei dias e noites chorando e implorando que ele não se embrenhasse nos caminhos daquele Reino sombrio, mas de nada adiantou.
Um dia, enquanto passeávamos nos bosques, um com o braço nos ombros do outro, ele de repente parou, puxou-me contra si e me beijou. Até aí tudo bem – sempre trocávamos beijos. Mas dessa vez foi diferente. Não foi só um beijo de irmão, como os que se dá no rosto de alguém. Ele cobriu minha boca com a sua e forçou meus lábios a se abrirem com a língua, e me beijou.
Eu o beijei de volta, achando divertido, mas daí ele me apertou mais, e começou a se roçar contra mim. Senti-o crescer de excitação, e sua respiração ficou ofegante. Eu me afastei e olhei-o sem entender, mas ele estava de olhos fechados, e simplesmente me puxou outra vez, e tentou continuar a me beijar, mas eu o empurrei para longe. Ele abriu os olhos e me olhou. Uma sombra escura passou por seus olhos azuis, e de repente não o reconheci.
Heilel, o que houve? Por que você está fazendo isso?
Ele se aproximou outra vez e tentou me abraçar de volta, mas dei um passo atrás, e os braços dele caíram ao longo de seu corpo. Seus olhos estavam outra vez normais, e ele tinha uma expressão de total desespero no rosto, como os demais Arcanjos, quando buscavam meus raios de cura.
“Por que você está se recusando a me amar, Tzadi?”
Mas eu amo você! Mais do que qualquer outro ser!
“Não o suficiente para me amar até o fim!”
Mas meu amor, não posso controlar o que meu corpo sente!
“Pode, sim! Para que servem seus raios?”
Olhei para ele sem entender. Eu sabia que ele tinha conhecimentos que eu não tinha, mas sobre mim mesmo? Desde quando a história de um ser era contada a outro? Então me lembrei de que ele era a personificação da Essência – de toda a Essência. Nada lhe estava escondido.
O que você quer dizer?
Mas ele não me respondeu. Jogou a cabeça para trás e riu – não a sua linda risada, que soava no Reino como cristais ao vento, mas uma risada desvairada, louca. Senti um frio me descendo pela espinha, uma sensação de algo iminente. Algo que eu nunca havia sentido antes. Ele parou de rir e me encarou.
“Então é isso? Sua resposta é não?”
Sacudi a cabeça de um lado a outro, tentando desanuviar os pensamentos.
Meu amor, eu não posso escolher as coisas que sinto! Você sabe disso. Eu amo você, mas não consigo sentir assim! Por que você nunca me disse nada antes?
“Porque antes eu não sabia.”
E como ficou sabendo?
“Isso não é da sua conta.”
Foi com eles, não foi?
Ele riu aquela risada louca outra vez.
“Não reconhece seu próprio dom quando o vê, deus do amor?”
Heilel, não criei isso em você. Não venha me dizer que é culpa minha!
Culpa? Você acha que amor é algo errado? Então isso quer dizer que tudo o que você é está errado!”
Sacudi a cabeça outra vez. Ele estava me confundindo com seus argumentos. Eu não sabia como responder, simplesmente porque o que percebia nele não era amor. Não era aquela sensação maravilhosa que os demais Arcanjos experimentavam com os humanos, ou o que os humanos experimentavam entre si. Aquela força sexual que os compelia a se unirem, e que produzia um êxtase que os levava, por alguns momentos, até Ein Sof. Aquela força que os aproximava de tal forma do Criador, que lhes dava a capacidade de criar outros Seres, humanos ou astrais.
O que eu percebia em Heilel era só desejo de posse. Como se ele quisesse me subjugar. Subjugar o poder do amor com o poder da vontade.
Isso que você está sentindo não é amor, Heilel. Você quer que eu ame você sexualmente porque você quer que eu me submeta a você.
“E não é a mesma coisa? Amor não é submissão e domínio?”
Não é bem assim! Você aprendeu tudo errado! Eles lhe ensinaram tudo errado, e não posso responder ao que você sente porque não posso amar errado!
“E tem dessas, é? E se eu fosse uma das meninas da Terra? Seria errado igual?”
Seria errado igual, meu amor. Você não consegue ver isso? Não tem nada a ver com o que você é, ou o que eu sou! Não interessa gênero feminino ou masculino, espécie humana ou angélica!
“Tem a ver com o quê, então?”
É que... É que... O amor sexual deve ser mais ou menos como... Como não ser mais quem você é, e querer ser parte de um todo, que vai além das duas pessoas.
“Então dá na mesma. Como eu disse, amor é submissão e domínio!”
Que coisa, pô! Não tem nada a ver com isso! Não tem domínio, seu burro! Só tem submissão! Os dois precisam se submeter a algo maior, você não entende?
“Não seja ingênuo, Tzadi. Não existe submissão sem domínio! É dualidade! Mas você não entende nada de dualidade.”
Mas... É isso o que é o amor, Heilel... Ausência de dualidade... Ser um com outra pessoa... No mesmo nível, com a mesma intensidade... Ou você não entra em Ein Sof!
“E quem quer entrar em Ein Sof”? Eu sou Ein Sof!
Não é coisa nenhuma! Você é a representação de Ein Sof, como... Como um enviado de um país é representante dele, não é o país!
“Não seja burro, Tzadi! Isso é um monte de balela que nos foram ensinadas para nos aprisionar a Hashem!”
Você aprendeu isso com eles? Com as Criaturas das Trevas?
“Isso e muito mais. O resto dos babacas pode aceitar serem peões de Forças que se dizem superiores, mas eu não! Eu escolho ser superior! Eu sou livre!”
Não é, não, meu amor... Você é prisioneiro dentro de si mesmo...
“Ok. Que seja. Mas estou lhe oferecendo ser livre, criatura! Sentir sem sentir-se aprisionado! Você vai dizer não a isso?”
Eu não sabia como argumentar. Só sabia sentir e captar sentimentos. E o que captava nele não era amor, nem era liberdade. Era uma prisão escura e sem fim.
Se você escolhe esse caminho, não posso ir com você, meu amor...
“Isso é definitivo? Você disse que me ama mais que a qualquer outro Ser! Como pode me amar e não ceder a mim?”
Amor não é ceder, Heilel... É seguir junto... Como um todo...
“Então essa é a sua resposta? É não? Definitivamente?”
Estendi os braços para ele e dei um passo em sua direção, mas ele deu um passo para trás, e aquela sombra voltou aos seus olhos.
Eu amo você, Heilel... Mas você não pode ter poder sobre mim, porque nada e ninguém pode ter poder sobre... Sobre a minha Essência!
“Você esqueceu quem eu sou?”
Meu amor... Você esqueceu quem eu sou!
Ele de repente parou, apertou a boca e... Desapareceu.
Retornei à praça da Fonte caminhando devagar, tentando entender o que se passara, e busquei-o na corrente de comunicação, mas não o encontrei. Ele havia me barrado. Perguntei a diversos outros Arcanjos, mas ninguém conseguiu encontra-lo. Eles deram risada, pensando que era uma das nossas brincadeiras, até que perguntei a Uriel, e ele não riu. De repente estava ao meu lado, junto com Miguel.
“O que houve, Tzadkiel?”
Deixei que lessem meus pensamentos e vissem tudo o que havia acontecido. Os dois se entreolharam e abriram a comunicação com todos os demais. Ninguém conseguiu encontra-lo, então decidimos esperar.
Foram dois dias terríveis para mim. Eu nunca estivera sem Heilel por muito tempo, exceto recentemente, quando ele desaparecia por umas poucas horas nas Trevas. Nós fôramos criados juntos, um a perfeita cópia do outro, um o espelho perfeito do outro, como duas metades de um mesmo todo. Ele tinha o brilho da Shekinah, eu tinha as cores dela. E tínhamos o mesmo rosto, o mesmo corpo, só diferentes em olhos e cabelos, e era aí que ele se tornava o mais belo dos Arcanjos. Porque os olhos dele eram azuis brilhantes, os meus eram escuros; seus cabelos eram longos, loiros e lisos como fios de Luz, os meus eram mais curtos, escuros e cacheados.



Quando a Natureza se zangava e alguma coisa ocorria na Terra, nós dois éramos enviados para administrar Tikkun – a regeneração, restauração. Quando as Criaturas das Trevas ameaçavam o Reino, nós éramos colocados à frente das Hostes de defesa, porque antes de guerrear é preciso primeiro amar e iluminar.
E agora eu estava só. Barrei todo mundo e fiquei caminhando a esmo pelos bosques, sem saber o que pensar, e de repente Uriel estava ao meu lado, e me levou ao Conselho. Todos já estavam reunidos.
“Tzadkiel, aconteceu o impensável!”
Fiquei confuso e assustado, mas imediatamente senti a Shekinah caindo sobre mim como um manto, envolvendo-me num casulo de Luz, e forçando meus raios para fora de meus dedos, por todo meu corpo. Era como se eu estivesse sendo mergulhado num oceano de paz, cercado de azul e dourado, e só então Metatron me deixou saber o que houvera.
“Heilel entregou todos os segredos para a humanidade, Tzadkiel. Agora os humanos são como Hashem, conhecedores do Bem e do Mal.”
E a gente vai fazer o quê?
“Filho, Heilel precisa ser eliminado, antes que destrua toda a Criação!”
Não! Ele pode mudar, eu sei que pode! Não vai chegar a esse ponto!
“Já chegou, Tzadkiel. Ele está reunindo todas as Criaturas das Trevas, para lança-las à Terra. E nós precisamos reunir as nossas Hostes e impedi-lo!”
Arcanjo não tem escolha. Mesmo que esteja de coração partido. Em questão de minutos, minhas Hostes estavam em formação, junto com todas as demais Hostes dos Céus, para lutar pelos humanos.
Da Terra, eles deveriam estar presenciando a maior tempestade já vista, com trovões e raios cortando a escuridão. Mas não era uma tempestade. Era a Grande Guerra dos Céus. E à frente de todos estava Miguel, com sua Espada de Luz... E eu, sozinho com meu Estandarte.
Os terríveis monstros das Trevas caíram sobre nós com toda sua força, mas Ser algum é páreo para os Imortais. Nós os dizimamos. Mas onde estava Heilel e seus anjos? Eles eram Imortais! Na verdade, eles eram o único perigo. Quando a última leva de Criaturas das Trevas foi derrotada, Heilel passou por sobre eles e avançou contra nós, mais impressionante do que nunca na sua ira. O mais belo dos Arcanjos.
Eu não queria vê-lo ser destruído. Quando os dois exércitos estavam para se chocar, corri com meus anjos e nos colocamos à frente dele. Na corrente de comunicação, Metatron me repreendeu, furioso.
“Tzadkiel, saia do caminho! Ele precisa ser destruído!”
Eu estava em lágrimas de desespero.
Então que seja exilado! Sem comunicação, sem asas, sem a Luz Divina! Retirem dele sua roupagem, seus poderes, mas não a sua existência – ou destruam-me a também, junto com ele!
Houve silêncio nos Céus. Eles cortaram a minha comunicação e, por alguns momentos, pensei que realmente seria eliminado junto com Heilel. Daí subitamente todas as Hostes começaram a se movimentar e passaram por mim e meus anjos, e cercaram Heilel por todos os lados. Seus anjos foram imobilizados, e ele foi jogado ao solo desnudo, suas asas partidas, seus lindos cabelos espalhados ao redor de sua cabeça, olhos fechados, imóvel.
Eu queria correr e levantá-lo, trazê-lo de volta à vida com meus raios de cura, mas Metatron me segurou.
“Os Desígnios ouviram seus rogos, Tzadkiel. Eles não serão eliminados. Os poderes Celestiais de Heilel foram retirados, e agora cabe a você e Miguel exilá-los em algum território da Terra que seja inacessível, para que ele e suas Hostes não saiam por todo o Planeta, destruindo tudo.”
Então Miguel e eu os exilamos para a região mais inóspita da Terra, a que aparentava ser a mais inacessível, inútil, desabitada e sem recursos. Um lugar árido, de rochas e pedras e desolação.
Nós os exilamos para os Himalaias, para o território das montanhas de Hindu-Kush.
E nós o chamamos...
 
Gehinnom.
[8]
 

 
A partir daquele momento, fiquei sozinho e abandonado. Não haveria mais danças à luz das estrelas, ou brincadeiras e risos e conversas sem sentido. Por milênios, quando não estava ocupado restaurando a Terra ou batalhando com Miguel contra as Criaturas das Trevas (porque outras se levantaram no lugar das que elimináramos, como um câncer), fiquei vagando sozinho pelos bosques do Reino e pelos bosques da Terra, criando e entoando poemas que mais tarde sussurrei aos ouvidos do Povo do Verbo, e eles se transformaram em salmos, rezas e bênçãos. Os demais Arcanjos percebiam minha tristeza pela corrente de comunicação, mas não encontravam palavras para me confortar.


 
Quando nasci como humano, comecei a vagar sozinho pelas matas desde os cinco anos de idade. Uriel avisou minha mãe para que não me impedisse, e foi então que Alice, minha irmã Astral, se manifestou e veio caminhar comigo, para cuidar de mim e mitigar minha solidão.
[9] Mas de nada adiantou. Só fui reaprender a rir e brincar aos nove anos, quando conheci Airumã. E ainda que ela não tenha preenchido aquele terrível vácuo que eu nem sabia ter sido deixado por Heilel, ele se tornou suportável.
Isso é mais ou menos como o que uma mãe sente quando perde um filho, ou um gêmeo sente ao perder o irmão. Outros filhos ou irmãos podem lhe trazer a alegria de volta, mas aquele lugar vazio dentro do coração permanece. Porque ninguém pode substituir a perda de um ser amado. O seu nicho dentro de nós permanece, agora preenchido apenas por lembranças.
 
Enquanto isso, o Conselho nunca conseguira entender como eu conseguira me rebelar contra suas decisões e sair em defesa de Heilel. Afinal, Arcanjos não se rebelam. Apenas Heilel tinha livre arbítrio. O que me salvou de ter o mesmo destino dele foi o fato de Uriel ter me defendido e os Desígnios terem ordenado ao Conselho seguir o que eu lhes rogara. Ainda assim, fiquei sob vigilância, e o resto já contei noutro lugar.
E foi somente agora, quase cinco mil anos mais tarde, e depois de tudo o que vivera como humano e tudo o que passara durante meus tempos de Exército, que fui entender por que eu tivera a liberdade de me rebelar, quando nenhum outro Arcanjo tinha.
Quando eu rejeitara Heilel, coloquei-o numa situação insuportável. Em sua confusão, ele pensou ter apenas duas escolhas: o poder do amor da minha Essência, ou o poder da liberdade das Trevas. Ele estava obcecado por poder. E ele escolhera a segunda opção por um único motivo: no seu entender, eu lhe havia negado a primeira. Afinal, ele não entendia amor e amizade. Para ele, amor era paixão, era desejo, era subjugar ou ser subjugado. Ao mesmo tempo, eu não entendia o que era poder. E por ser a própria representação da Shekinah, Heilel sabia de algo que eu ignorava: ele sabia que a minha Essência era o maior poder dentre todas as coisas criadas.
E esta fora a razão pela qual eu pudera me rebelar contra o Conselho: eu fora motivado por amor. O maior poder do Universo.
Foi isso então que descobri, ao observava o que estava acontecendo entre Heilel e Alexandre.
Por mais belo e perfeito que Heilel fosse, Alexandre nunca o amara de verdade. Para ele, Heilel fora apenas uma paixão de momento e seu verdadeiro amor era Eféstion, seu segundo em comando e seu amigo de infância.
Ora, Heilel não podia entender como Alexandre poderia preferir um homem já mais velho, ferido e cansado de guerra, ao invés de sua exuberante juventude e sua beleza deslumbrante. Então ele fez o que muitos amantes rechaçados sonham fazer: em outubro de 324 AEC, ele envenenou Eféstion e o levou à morte.
Há muita controvérsia entre os Historiadores sobre as causas da morte de Eféstion, que, depois de sete dias doente, já estava em recuperação. Alguns dizem que fora uma úlcera perfurada, outros concordam que fora veneno. Mas o que importa é que sua morte teve um profundo efeito em Alexandre, e o oposto do que Heilel previra. Alexandre se lançou em lágrimas sobre o corpo do amado morto, e só se levantou ao fim do dia porque seus comandantes o arrastaram.
Em seu sofrimento, ele decretou estado de luto e proibiu que se tocasse qualquer tipo de música em todas as cidades circunvizinhas. Ordenou que as crinas e os rabos de todos os cavalos fossem cortados, e executou o médico que ele pensava ter falhado ao tratar Eféstion. Daí raspou os próprios cachos, e levou o corpo de seu amado para a Babilônia, onde mandou construir a maior pira de que se tem conhecimento. E Eféstion foi cremado segurando na mão um de seus cachos. Então foi decretado em todos os Domínios de Alexandre que Eféstion deveria ser adorado como um deus.
A partir daquele dia, Alexandre se fechou em sua dor, falecendo oito meses mais tarde, no dia 10 de junho de 323 AEC. Não chorando porque não havia mais mundos a serem conquistados, como dizem os Historiadores,  mas porque perdera a pessoa que mais amava.
Heilel saiu completamente dos eixos. Ele esperava que Alexandre o procurasse quando Eféstion morresse. Ele, que fora o mais belo dos Arcanjos, que era considerado como um deus entre os homens, havia sido outra vez derrotado pelo poder do amor. Cheio de ódio, ele levantou os punhos fechados e desafiou os Desígnios aos gritos.
“Eu vou ascender aos Céus, mais alto que as estrelas de Hashem! Vou colocar meu trono sobre o monte do Conselho, no ápice do Reino! Vou ascender em uma nuvem e ser igual ao Altíssimo!
[10]
A partir daquele dia, as suas Hostes sofreram uma terrível transformação. Seus anjos se tornaram monstros escuros, sinistros, cruéis. Os homens lhes deram o nome de Demônios da Goetia, ou seja, Demônios da Feitiçaria, da Magicka, do Engano. Eles passaram a ser evocados através de complicados rituais e sigilos, e auxiliavam os homens em todas as suas artes mortais de guerra e de Magicka. Ao mesmo tempo, eles eram traiçoeiros e muitas vezes se voltavam contra quem os evocara, destruindo-os, então seus rituais passaram a ser feitos apenas por quem estudava suas ciências, o caminho das estrelas e o passar das estações: os Magos.
Com o tempo, aqueles Magos se dividiram em duas espécies: alguns continuando com as mesmas práticas e os mesmos rituais de evocação, outros abandonaram os Demônios Goéticos para buscar o Divino no Ascetismo, na introspecção e no auto amor. Este auto amor não significa amor próprio, mas sim amar a si mesmo sobre todas as coisas, você é deus. Esses deram origem aos Dervixes Persas e aos Magos Sufis. A Bíblia Cristã os menciona, quando fala sobre o nascimento de seu deus Jesus – os Magos vindos do Oriente, trazendo presentes ao bebê cuja vinda eles haviam previsto nas estrelas.
Com tudo o que acontecera, Heilel perdeu sua expressão juvenil de animação e alegria. Ele se tornou irônico, sarcástico, cheio de desdém, incapaz de sorrir ou de chorar. Forjou para si mesmo uma Espada e a imbuiu com os poderes de destruição das Trevas, a fim de penetrar com ela até ao cerne dos homens, causando aridez e transformando-os em fantasmas.  Ferindo um espírito de cada vez, criando desertos vazios. E aqueles novos desertos destruiriam a outros, que destruiriam a outros, numa cadeia quase infinita.
Esses homens-fantasmas, que mais tarde seriam chamados de Dokis (fantasma em russo), passaram a se esconder nos buracos dos desertos e nas cavernas das montanhas de Hindu-Kush, armados de cimitarras e facas, rostos e cabeças enrolados em longos xales, e deslizavam no escuro da noite pelos povoados, atacando as populações para saquear, violentar e roubar.

 
 
Enquanto isso, na sua fúria contra Hashem e os Desígnios, Heilel lançou uma verdadeira cruzada contra o Povo do Verbo Impronunciável, incitando seus homens-fantasmas (já que ele e suas Hostes de Demônios não podiam deixar a região de Hindu-Kush) a persegui-los e eliminá-los em cada um dos territórios vizinhos. Parecia tarefa fácil – uma enorme quantidade de homens experientes e armados contra um bando de pastores e agricultores sem pátria – mas não foi. Mesmo em exílio e sem recursos por terem desobedecido aos Desígnios, o Povo ainda tinha em seu meio os Sábios, que guardavam o Verbo, e os pequeninos, que se curvavam sobre as Leis, estudando-as. E por amor a eles, Hashem não permitiu que o Povo fosse eliminado.
 
 
 

 
 
 
 
 
 
[1] Antes da Era Comum
[2] Estudo da origem, estrutura e evolução do Universo
[3] Este link apresenta bem resumidamente o ‘Mito’ do Dilúvio nas mais diversas civilizações. Tenha em mente que todas as que tiveram contato com os judeus – Eurásia, Ásia, Oriente Médio, etc., podem ter colhido informação através deles, mas as demais não. http://www.talkorigins.org/faqs/flood-myths.html
[4] https://zosotruthtalk.wordpress.com/2010/09/12/ashkenazi-jews/
[6] Os Escritos
[7] Os Profetas
[8] No Judaísmo, Gehinnom é o reino espiritual onde os seres são purificados de suas falhas causadas por sua conduta – uma espécie de purgatório (Chabad.org). A literatura ocidental e o Cristianismo, contudo, consideram-no como sinônimo de ‘inferno’, com a grafia  Gehenna. Como nas demais instâncias, este livro segue o conceito Judaico do termo, mesmo quando Tzadkiel se refere à guerra como sendo o “inferno”.
 
[9]  O Herói, cap.1 - Acidulação
[10] Isaías 14:13 e 14, Nevi´im, Bíblia
 
 
 ENGLISH
[1] https://zosotruthtalk.wordpress.com/2010/09/12/ashkenazi-jews/
[3] The Writings
[4] The Prophets
[5] In Judaism, Gehinnom is the spiritual kingdom where every Being is purified of their faults caused by their behavior – a kind of Purgatory (Chabad.org). However, Western Culture and Christians consider it as a synonym of Hell, spelled  Gehenna. As in any other instance, this book follows the Jewish concept, even when Zadkiel refers to the War  as “Hell”.
 
[6]  O Herói, cap.1 - Acidulação
 
[8] Isaiah 14:13 e 14, Nevi´im, Bible
[9] Antes da Era Comum
[10] Estudo da origem, estrutura e evolução do Universo
[11] Este link apresenta bem resumidamente o ‘Mito’ do Dilúvio nas mais diversas civilizações. Tenha em mente que todas as que tiveram contato com os judeus – Eurásia, Ásia, Oriente Médio, etc., podem ter colhido informação através deles, mas as demais não. http://www.talkorigins.org/faqs/flood-myths.html
[12] https://zosotruthtalk.wordpress.com/2010/09/12/ashkenazi-jews/
[14] Os Escritos
[15] Os Profetas
[16] No Judaísmo, Gehinnom é o reino espiritual onde os seres são purificados de suas falhas causadas por sua conduta – uma espécie de purgatório (Chabad.org). A literatura ocidental e o Cristianismo, contudo, consideram-no como sinônimo de ‘inferno’, com a grafia  Gehenna. Como nas demais instâncias, este livro segue o conceito Judaico do termo, mesmo quando Tzadkiel se refere à guerra como sendo o “inferno”.
 
[17]  O Herói, cap.1 - Acidulação
[18] Isaías 14:13 e 14, Nevi´im, Bíblia
Dalva Agne Lynch
Enviado por Dalva Agne Lynch em 01/12/2016
Alterado em 23/10/2018
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Endereço da autora na REBRA