Dalva Agne Lynch (Sarah)

Site oficial

Textos


Versão em Português abaixo da em inglês.
 
 NEVER AGAIN - Tzadkiel talks about the Holocaust
(from ch. 11 of “Gehinnom”)
 
©Sarah D.A. Lynch
 
 
Contrary to what the humans think, the Spirits of Darkness don´t need to do anything against them. And Demons, the Creatures of Goetia who had been Heilel´s angels at the beginning of Creation, don´t need to cause misfortune and possess people. And why don´t they need to do any of this? Because humans do all of this on their own.

 
        The literary and movie fiction presents all sort of stories about demons possessing people or houses or things, and about Spirits attacking humans. And this kind of fiction sells like water. The problem is that those stories are just that: fiction. In fact, no Demon ever comes without being evoked, and their performance in earthly realm depends entirely on the correct way of evocation. And no Spirit ever torments humans unless those humans are filled with fear.

         That means, the evil we see today working among humans has nothing to do with Demons or Spirits. It´s all already ingrained in men´s hearts, and has power only because it fits like a glove in their fears or haughtiness.
 
        And how does that happen? In fact, it´s very simple yet entirely ignored by people.
 
For many years during and after the Holocaust I aimlessly walked through the Forests on the Earth or sat under the trees weeping and wondering how the People of the Unutterable Verb let themselves be led like sheep to the slaughter when they had inside themselves all they needed to stop everything. Well, I got my answer only recently. Maybe my Essence was too naïve to understand it before (and I´ll talk about that later on).

        So, what I got is what Hashem had already said to the People there in the Desert, when it seemed like they´d never reach the Promised Land. "I have seen this people, and behold, they are a stiff-necked people" (Êxodo 32:9 – Torah). Meaning, the People were full of themselves, stubborn, seeing themselves as big shots.                                    
 
         Taking this into the reality of the Holocaust, I realized the People let themselves be led simply because they didn´t believe all those things would really happen to them. Despite seeing what Hitler and his cronies were doing, they thought, "But nothing will happen to us. We are above all of that. We are safe." And when it did happen, since most had forgotten who they were and that Hashem was with them no matter what, they saw their world crashing down all around them and asked, "G´d, why have You forsaken us?" Few were those who asked, "What have we done wrong, that You have forsaken us?"
 
         For Hashem had not forsaken them. They had forsaken Hashem. And because of that desertion of the important ones among the People, the intellectuals, the opinion-makers, those who could have done something before everything became impossible, the entire People suffered.  

        However, a writer once said: 
 
“Do not be deceived, Wormwood. Our cause is never more in danger than when a human, no longer desiring, but still intending, to do our Enemy's will, looks round upon a universe from which every trace of Him seems to have vanished, and asks why he has been forsaken, and still obeys.” (C.S.Lewis, “The Screwtape Letters”)
 
        So it was only when the important ones, those who could have done something, were rounded up and taken to the Camps that they cried out to Heaven. I remember. We, the Council, were the entire time together praying for men, but we were prevented from interfering until they´d have learned how to choose to do what was right despite Heilel´s Chaos all around them: cry out to the Eternal and do what was given each one of them to do. Once again men´s free will had tied our hands. And as the important ones, the intellectuals, the opinion-makers fell and realized they were no greater than the smallest among the People, they stood and cried out to Heaven with them. Then the Designs of Hashem gave us permission to act. 

        I was under Uriel´s guardianship at the time and went with him when he helped Rafael stir the Media into  publishing the horrors. But the world wouldn´t listen, just as the important ones among the People had done. They said, "Oh, but that´ll never happen to us. We are safe. That's their problem. "And then country after country had to fall, so as to finally give ears to what Gabriel had been telling them on their Assemblies, and launch their armies against Hitler. Miguel then led the American troops into Europe, and the rest you all know.

 
        I mean, Hashem had to move those who were not of the People, because the People was all but extinct. We'll talk about that when we get to the Russian invasion of Afghanistan and then their fall, and also when we get to the War on Terror.
 
        And why am I saying all of this? Because this is one of the only two ways evil has to touch men. Haughtiness, pride, egocentrism. "Nothing will happen to me. I'm secure. I´m important. "  The second way is fear.
       

Do you remember Adam there in the Garden of Eden? How he told Hashem that he was hiding because he was afraid?
 
       Adam´s fear was the proof he had eaten the fruit of the Knowledge of Good and Evil, because only the knowledge of evil can cause fear. For example, a little child has no fear of heights, fear of darkness, fear of the  bogeymen - unless the adults had taught them to have. Then you could say, “Ah, but when you turn out the lights, the child cries”! The thing is, for little children the dark  (unless adults have taught them something different, as I said) doesn´t mean the presence of something bad - the dark is only the absence of light which takes away their vision and makes them feel they had lost something.
 
        And how does fear open the door to the Spirits of Evil? We have also seen this with Adam and Eve. Fear makes humans try to escape blame pointing a finger at someone else. Then fear also makes them hide from each other, so that fingers are not pointed in his/her direction.

       And that was the reason why many among the People of the Unutterable Verb were silent during the time of the two Great Wars, and tried to blend in with the rest of humankind. They knew the price of carrying the Word. They knew they were marked. And when Hitler began closing in, the important ones, the intellectuals and the rich kept their mouth shut for fear of having the same fate as the others. Many even pretended to join the enemy.

     But to no avail, as we very well know. They all ended up getting a yellow star stuck to their chests, marking them as one of the People.
 
        And how about now? What´s happening to the People today, the first day of October 2001, while the United States and NATO are preparing to fight Al Qaeda in Afghanistan? And then, where are they going to be when all the last-generation weapons fail, in useless wars against ghosts who hide in holes on the ground and in the mountains, and in the humble homes of the innocents? Will they raise their voices, remembering their parents and grandparents´ Camps? Or would they shrink in fear of what might happen all over again?

       No. The People of the Unutterable Verb will never again be silent. Although many of them will cowardly side up with the enemy, thus thinking to save their money, their good names and their necks, those will not be many. And you know why? Because now there´s another thing implanted in the People's DNA, along with the Word of Creation. They´re only two words.

 
        NEVER AGAIN.
     
 

Versão em português:
 
 
NUNCA MAIS - Zadkiel fala sobre o Holocausto
(do cap. 11 de “Gehinnom”)
 
©Sarah D.A. Lynch
 
 
Ao contrário do que os humanos pensam, os Espíritos das Trevas não precisam ficar fazendo coisas contra os humanos. E os Demônios, quer dizer, os Seres da Goétia que haviam sido os anjos de Heilel no princípio da Criação, não precisam causar desgraças e possuir pessoas. E por que eles não precisam fazer nada disso? Porque os humanos fazem tudo isso por conta própria.

      A ficção literária e cinematográfica criou toda espécie de histórias a respeito de demônios possuindo pessoas ou casas ou coisas assim, e sobre Espíritos atacando os humanos. E esse tipo de ficção vende como água. O problema é que essas histórias são apenas isto: ficção. Na verdade, Demônio algum vem sem ser evocado, e a atuação deles na esfera terrenal depende inteiramente da maneira correta da evocação. E Espírito algum atormenta os humanos a menos que os humanos em questão estejam cheios de medo.

       Quer dizer, a maldade que vemos hoje atuando entre os humanos não tem nada a ver com Demônios ou Espíritos. Ela já está enraizada no coração dos homens, e tem poder apenas porque ela se encaixa como luva no medo ou na empáfia deles.

       E como ocorre tudo isso? Na verdade, de uma maneira bem simples, mas totalmente ignorada.
 
Por muitos anos, durante e depois do Holocausto, eu caminhei a esmo por alguma floresta da Terra, ou me sentava sob uma árvore, chorando e me perguntando como o Povo do Verbo Impronunciável se deixara levar como ovelhas para o matadouro, quando eles tinham dentro de si todo o poder para parar com tudo aquilo. Bom, só fui ter minha resposta recentemente. Acho que minha Essência é ingênua demais para ter entendido antes (e depois falo sobre isso).

       Pois o que entendi é algo que Hashem já havia falado ao Povo lá no Deserto, quando parecia que eles nunca chegariam à Terra da Promessa. “Eu tenho visto esse povo, e eis que são um povo de dura cerviz”
[1]. Em bom português, Ele estava dizendo que o Povo era cheio de si mesmos, teimosos, achando que eram os tais.

       Levando isso para a realidade do Holocausto, percebi que o Povo se deixara levar simplesmente porque não acreditavam que aquilo realmente fosse acontecer com eles. Apesar de ver o que Hitler e seus comparsas estavam fazendo, eles pensaram, “mas conosco nada vai acontecer. Estamos acima disso. Estamos seguros”. E quando aconteceu, já que a maioria havia se esquecido de quem eram, e que Hashem estava com eles não importa o quê, eles olharam em torno de si, para seu mundo vindo abaixo, e se perguntaram: “D´us, por que nos abandonaste?” Foram poucos os que perguntaram: “O que fizemos de errado, para que Tu nos abandonasses?”

       Porque Hashem não os abandonara. Eles haviam abandonado Hashem. E por causa deste abandono por parte dos importantes, dos intelectuais, dos fazedores de opinião dentre o Povo, dos que poderiam ter feito algo antes que tudo se tornasse impossível, todo o Povo sofreu.

       Contudo, um escritor disse certa vez:

     
 “Não se deixe enganar, Wormwood (é um Diabo falando ao seu demoninho), nossa causa nunca está em maior perigo do que quando um humano, quando não quer mais fazer a vontade de nosso Inimigo (Hashem), mas ainda assim está tentando, olha ao redor de si, para um universo no qual todo traço Dele parece ter se desvanecido, e pergunta por que Ele o abandonou. E, ainda assim, continua obedecendo.”
[2]
 
      Então, foi só quando eles, os importantes, os que poderiam ter feito algo, foram arrebanhados e levados aos Campos, que eles clamaram aos Céus. Eu me lembro. Nós, o Conselho inteiro, estávamos reunidos o tempo todo, rezando pelos homens, mas impedidos de interferir até que eles, apesar do Caos de Heilel à sua volta, tivessem aprendido a escolher fazer o que era certo: clamar ao Eterno, e fazer o que cabia a cada um fazer. Outra vez o livre arbítrio humano nos atava as mãos. E quando os importantes, os intelectuais, os fazedores de opiniões caíram, e perceberam que não eram maiores que o menor dentre o Povo, eles se levantaram e clamaram aos Céus junto com eles. E os Desígnios de Hashem nos deram permissão de agir.

     Eu estava sob a custódia de Uriel na época, e acompanhei-o quando ele foi ajudar Rafael a mover a Mídia, para que ela proclamasse os horrores. Mas o Mundo não escutou, e bem como os importantes do Povo haviam feito, eles disseram: “Ah, mas isso nunca vai acontecer conosco. Estamos seguros. Isso é problema deles”. Foi preciso então que país após país caísse, para que finalmente os Governos ouvissem o que Gabriel lhes dizia nas reuniões entre Nações, e eles então acionassem seus exércitos contra Hitler. Então Miguel conduziu as tropas Americanas à Europa, e o resto todos sabem.

       Quer dizer, foi preciso que Hashem movesse aqueles que não eram do Povo, porque o Povo estava quase extinto. Depois vamos falar sobre isto, quando chegarmos à invasão russa no Afeganistão e depois sua queda, e também quando chegarmos à Guerra ao Terror.

       E por que estou falando tudo isto aqui? Porque esta é uma das únicas duas maneiras do Mal atingir os homens. Esta é a empáfia, o orgulho, o egocentrismo. “Nada vai me acontecer. Estou seguro. Sou importante.”  A segunda é o medo.

       Você se lembra de Adão, lá no Jardim do Éden? De como ele disse a Hashem que se escondera porque estava com medo?

       O medo de Adão era a prova de que ele comera do fruto do Conhecimento do Bem e do Mal, porque apenas o conhecimento do Mal pode provocar medo. Uma criancinha, por exemplo, não tem medo de altura, não tem medo do escuro, não tem medo de bicho-papão – a menos que os adultos a tenham ensinado a ter.  Daí você vem e diz, ah, mas quando se apaga a luz, a criança chora! A coisa é que o escuro, para ela (a menos que os adultos tenham ensinado outra coisa, como já disse) não significa a presença de coisas ruins – o escuro é só a ausência de luz, que lhe tira a visão e a faz sentir como se tivesse perdido algo.

       E como o medo abre a porta para os Espíritos do Mal? Também já vimos isto com Adão e Eva. O medo faz com que os humanos tentem se eximir de culpa, apontando o dedo para alguém mais. Então o medo também faz com que se escondam uns dos outros, para que dedos não sejam apontados em sua direção.

       E essa foi a razão pela qual muitos dentre o Povo do Verbo Impronunciável, no período das duas Grandes Guerras, ficaram calados, e tentaram se misturar ao resto dos homens. Eles sabiam qual era o preço de carregar o Verbo. Eles sabiam que estavam marcados. E quando Hitler começou a apertar o cerco, os intelectuais e os importantes e os ricos ficaram quietos, por medo de terem o mesmo destino dos demais. Muitos até fingiram se unir ao inimigo.

       Mas de nada adiantou, como sabemos. Todos terminaram recebendo uma estrela amarela no peito, que os marcavam como sendo do Povo.

       E o que está acontecendo agora? O que está acontecendo com o Povo hoje, dia primeiro de outubro de 2001, enquanto os Estados Unidos e a OTAN se preparam para combater Al Qaeda no Afeganistão? E depois, onde estarão eles, quando todas as armas de última geração falharem, em inúteis guerras contra fantasmas que se escondem em buracos no chão e nas montanhas, e nas casas humildes de inocentes? Será que levantarão a voz, lembrando-se dos Campos de seus pais e avós? Ou se encolherão de medo do que pode acontecer outra vez?

       Não. O Povo do Verbo Impronunciável jamais se omitirá outra vez. Ainda que muitos dentre eles covardemente tomem o lado do inimigo, pensando assim salvar suas fortunas, seus bons nomes e suas vidas, eles não serão muitos. E sabe por quê? Porque outra coisa está agora marcada no DNA do Povo, junto com o Verbo da Criação. Só duas palavras.


       NUNCA MAIS.

 
Dalva Agne Lynch
Enviado por Dalva Agne Lynch em 09/02/2016
Alterado em 09/05/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Endereço da autora na REBRA