Dalva Agne Lynch (Sarah)

Site oficial

Textos


Carta para Natalia Correia


Dalva Agne Lynch



Natália,
Não tenho nada de ti.
Não sou nem magnética nem esplendorosa
E nunca fui dona de território algum.
Pelo contrário
Sempre fui parte do que não era parte
Mesmo quando, por direito, o show me deveria pertencer.
Ainda que meu, foi-me exterior e estrangeiro
Tão estrangeiro quanto tua plácida figura
Aí sentada, escondendo-te o fogo.
Sábia figura a tua, Natália.
Nada como eu.
O fogo se me escorre para fora de olhos desvairados
Em mechas ruivas que se me caem pela cara
(E onde, dize-me, puseram todos os pentes?)
Pelos meus gestos descontínuos
Quando me esqueço para que os fiz
Então não há mais para que fazê-los
E param-se no ar.
O fogo que escondes, Natália
E que por isto recebeste aceitação
- das mulheres, porque não lhes foste ameaça
- dos homens, porque não lhes foste desafio -
Em mim queima mesmo em praça pública
E queimam-me nas fogueiras do preconceito
Por medo da ameaça - do desafio.
Ah, invejada Natália!
As minhas letras nada deixam a desejar das tuas
Mas eu, Natália? Eu não pertenço aqui, como pertenceste.
Minhas letras brilham sozinhas
Enquanto sou apedrejada em todas as esquinas
Onde recebeste palmas
Queimada em todas as fogueiras
Onde te acalentaram as mãos
Maldita em todas as mesas de bares
E de respeitáveis salas de jantar
Onde, unanimemente, foste acolhida.
Ah, cala-te, Natália!
Assim tão amada
Tuas letras são mentiras que dóem.
E nem tive, como tu
O direito de me esconder em abençoado amor
Post-mortem...




fot publicitária de Natália Correia
 
Dalva Agne Lynch
Enviado por Dalva Agne Lynch em 04/05/2007
Alterado em 30/12/2013
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Endereço da autora na REBRA