Dalva Agne Lynch (Sarah)

Site oficial

Textos


(English version after the Portuguese one)

VOCÊ É ETERNO - na noite de Ano Novo de 2010-2011
 
Dalva Agne Lynch
 
 
 
Talvez alguns considerem com escárnio, ou mesmo com mera indiferença, o que vou dizer, mas não importa. Esta é minha mensagem para o ano que está por terminar.
 
Sei que muitos dentre vocês estão passando por durezas, por sofrimento, por solidão. À noite, apesar do cansaço, o sono só lhe vem depois de algumas pílulas salvadoras. Você se sente, muitas e muitas vezes, derrotado pelo peso de uma realidade assoladora. Os poucos momentos de alegria e despreocupação parecem minguar em meio às intermináveis horas de preocupação e pezar. Então você se pergunta: Por quê? Por que preciso estar passando por tudo isto, quando tantos parecem cruzar a vida com facilidade, prazer e opulência?
 
Eu também estive me perguntando exatamente as mesmas coisas. Por sinal, dediquei décadas da minha vida buscando por respostas a tudo isso, inclusive esperando, por 25 longos anos, que meus filhos retornassem a mim, depois de terem sido sequestrados por pessoas que vivem com facilidade, prazer e opulência, às custas de desavisados que acreditam piamente serem elas "mensageiras do senhor" (e que senhor seria este?), e pagam-nas para "pregarem o evangelho", enquanto que, na verdade, elas passam seus dias cantando e viajando e descansando em praias ensolaradas.
 
Quer dizer: amigo ou amiga, eu entendo o que você sente. Eu entendo sua frustração perante um destino desigual, que parece sorrir a uns poucos, e empilhar dores e trabalhos na vasta maioria da humanidade. E aqui está o que descobri através dos anos:
 
Amigo ou amiga, somos maiores que quaisquer dores ou alegrias que se nos caem por umas poucas décadas pela mão de um fado indiferente. Nós somos eternos.
 
Dentro de cada um de nós, há uma chama que vai além do corpo e da mente. Uma chama que nos foi, digamos assim, outorgada com o primeiro sopro de ar que se nos entrou pelas narinas. Sim, ela se chama "vida", mas é maior do que nosso conceito do que vem a ser esta palavra.
 
Você já olhou nos olhos de uma pessoa ou animal que está morrendo?
 
Quando um ser vivente morre, seus olhos de repente ficam opacos. Há uma espécie de "bang" silencioso, e você sabe, sem sombras de dúvidas, que algo saiu daquele corpo. É uma experiência devastadora para alguns. Para outros, os psicopatas, um momento de exultação: ele se foi; eu estou vivo.
 
As ciências e as religiões tentam dar uma explicação a esse esvaziamento do corpo por algo intangível e mistificante: a mente se apagou; os nervos se desligaram; a alma se foi; o ser etérico subiu; o espírito desencarnou. E por aí vai, em explicações muitas vezes plausíveis, outras vezes defendidas apenas através da fé. Seja como for, é preciso ser muito burro, ou muito teimoso, para não ver que algo não-corpóreo abandonou a carcaça para trás, e tem-se nos braços apenas o invólucro do que havia sido um ser vivente.
 
Amigo e amiga, não somos apenas um corpo que decai ou uma mente que se confunde com o passar dos anos. Digam os estudiosos o que disserem, seus sonhos e seus pesadelos vêm de outro local que não apenas seu cérebro.
 
Você é, acima de tudo, um espírito vivente. E esse espírito, que é a essência de seu próprio Eu, na verdade não lhe pertence. Quer dizer, não cabe a você descartar-se dele. Sim, você pode tentar o suicídio, mas isto só significa que despiu-se de seu corpo. Seu Eu permanece vivo. Eternamente.
 
Agora volte àquela pergunta lá de cima. Será que isso quer dizer que quem viveu uma vida de prazeres e opulência vai continuar eternamente assim, e quem viveu dores e pezares também?
 
Não. Prazer e opulência, dor e pezar, são coisas pertencentes ao corpo abandonado. O seu Eu se despe de tudo isto ao despir-se da carcaça do corpo. O que resta, é o ser vivente com toda a sua carga de escolhas feitas, de decisões tomadas, de atos consumados. Isso é tudo o que você conserva consigo mesmo/a, ao despir-se da matéria.
 
Não importa se suas escolhas, decisões e atos saíram da opulência ou da miséria. O que importa é se eles saíram da cegueira e indiferença, ou da dolorosa visão que vem apenas do sofrimento. Porque se você se perdeu na busca por alegrias e prazeres, sacudindo dor e sofrimento como água nas costas de um pato, você jamais despertou para a voz do Infinito. Você jamais chegou ao entendimento. Seu Eu é, sem sombra de dúvidas, cego. Você passou por este mundo sem a percepção aguda que só acontece quando as lágrimas lavaram de seus olhos a camada espessa do egocentrismo. E você levará essa cegueira consigo. Etenamente.
 
Então, amigo ou amiga, pense nisto: o que você escolheria como seu lote eterno? A cegueira ou a visão? Não se deixe enganar: a mesma cegueira que impediu o homem de ver o sofrimento alheio, será a cegueira que o impedirá de ver a beleza das coisas suprarreais.
 
Agora volte aos seus dias pesarosos, problemáticos, e levante a cabeça. Tudo isso é apenas o preço de sua passagem, e desaparecerá na névoa do tempo. Mas o entendimento que você adquiriu através das lágrimas, das penas, das privações, das ausências, iluminará seu caminho pela eternidade. O mesmo caminho que os felizes e despreocupados cegos trilharão no escuro, sem jamais terem um só vislumbre de toda a beleza do Infinito.
 
Portanto, amigo ou amiga, meu desejo para você, neste novo ano, é que seu coração possa se fortalecer em meio às suas batalhas, e você se mantenha íntegro e incorruptível, não importa o tamanho ou a força das multidões de cegos ao seu redor.
 
Por favor não esqueça: VOCÊ É ETERNO/A


English version:




YOU ARE ETERNAL - on the night of 2010/2011 

 
Dalva Agne Lynch
 
 
 
Maybe some people´ll take what I´m about to say with scorn or mere indiference, but it doesn´t matter. This is my message on this year that´s about to finish.
 
I know many of you are going through hardships, sufferings, loneliness. Sleep comes only after you take a saving pill or two even when you are so tired. You feel defeated by the sheer weight of a devastating reality. Your few happy untroubled moments shrink among endless hours of worry and pain. And then you ask, "Why? Why do I have to go through all of this when so many people seem to go through life in pleasure, ease and opulence?"
 
I also have questioned the same things, my friend. I´ve devoted decades of my life in search for answers to all of that. I also have waited 25 long years for the return of my children after they were kidnapped by people who lived in ease, pleasure and opulence supported by naive suckers who believed they were "the lord´s messengers" (and what lord would that be?) and had given them money to "preach the gospel" while in truth they spent their days singing and traveling and sunbathing in beautiful beachs of faraway countries.
 
So my friend, I truly understand what you´re feeling. I understand your frustrations before an unequal fate who seems to smile to a lucky few and to burden the vast majority of humankind with work and pain. And here´s what I´ve discovered throughout the years:
 
Friend, we´re bigger than any pain or happiness that befalls us for a few decades by the hand of an indiferent destiny. We are eternal, friend. 
 
There´s a flame inside each one of us that goes beyond body and mind. A flame which has, so to say, been given us with the first breath of air that entered our nostrils. Yes, it´s called life, but it´s larger than our concept of the word.
 
Have you ever looked into a dying person´s eyes?
 
When a living being dies, his or her eyes sudenly become dull, opaque. There´s a kind of silent bang and you know without the shadow of a doubt that something has just left that body. It´s a shattering experience for some. For others, the psychopats, it´s an exilarating moment: he´s gone; I´m alive.
 
Science and religion have tried to explain that emptying of a body by an intangible mystifying something: the mind´s gone; the nerves have been disconnected; the soul´s raised; the etherical being ascended; the spirit left the body. And the explanations go on and on, some of them plausible enough and others standing only through faith. But be what it may, one has to be very stupid or very stubborn to refuse to see that something incorporeal has abandoned its shell behind and what we have in our arms is only the involucre of what was once a living being.
 
Friend, we´re not just a body that decays or a mind that gets confused with the passing of the years. It doesn´t matter what learned people say, our dreams and nightmares come from a place other than just our brains.
 
You are, above all things, a living spirit. And that spirit, which is your Self´s very essence, in fact doesn´t belong to you. I mean, it´s not up to you to get rid of it. Yes, you can commit suicide, but that´ll only mean you´ve undressed yourself of your body. Your Self remains alive. Eternally.
 
Now please go back to the question up there. Does that mean that the ones who´ve lived in pleasure and opulence will keep eternally so, and the same goes to all of those who´ve lived in pain and grief?
 
No. Pleasure and opulence and pain and grief are things belonging to the abandoned body. Your Self undresses all of them when it gets rid of its shell. And what´s left is a living being with all his/her burdens of choices made, decisions taken, acts accomplished. That´s all you keep to youself when you leave your body behind.
 
It doesn´t matter if your choices and decisions and acts came from opulence or misery. What really matters is if they came from blindness and indiference, or from the painful vision which comes only through suffering. For if you´ve applied yourself to a quest for happiness and pleasure, and shook pain and suffering - yours or someone else´s - like water in a duck´s back, that means you´ve never awaken to the voice of the Infinite. You´ve never come to understanding. Without a shadow of a doubt, your Self is... blind. You went through this world without the sharp perception that happens only when we allow our tears to wash our thick layers of self-centeredness. And so you´ll take this blindness with you. Eternally.
 
So my friend, think about it: what do you choose as your eternal lot? Blindness or vision? Dont´let yourself be fooled: that same blindness which kept men from seeing other people´s sufferings will be that blindness which will keep them from seeing the beauty of things eternal. They will be blind - eternally.
 
Now go back to your painful and problematic days and lift up your head. All of that is only the price of your ticket to eternity, and it´ll fade in time´s mists. But that understanding you´ve acquired through your tears and pains and deprivations and loneliness will illuminate your path through eternity. That same path the happy and unconcerned blinds will thread in the dark, without one simple glimpse of all the Infinite´s beauty.
 
So my friend, my New Year´s wishes for you is that your heart may be strenghtened in the midst of your battles; tthat you may keep yourself uncorruptible and truthful no matter the size or the stregth of the multitude of blind people around you.
 
Please, please never forget, my friend: YOU ARE ETERNAL.
 
 
 

 
Dalva Agne Lynch
Enviado por Dalva Agne Lynch em 22/12/2010
Alterado em 09/12/2011
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Endereço da autora na REBRA