Dalva Agne Lynch (Sarah)

Site oficial

Textos


SOB O SIGNO DE VIRGEM




Eles se riem de mim
chamando-me nomes
pseudônimos
apelidos.
Eu sigo.
Acalanto uma criança
adormecida em meus braços
talvez para sempre.
Sou a Terra
Virgem
recebo fruto e semente
acolho o homem
o eremita
e o poeta.
Mas não acolho o sangue
jorrado sem sentido
as promessas sem retorno
o ódio lançado em vão.
A estes jogo ao vento
sacudo-os como bicho molhado
espalhando as gotas
a podridão do mundo
ao vento.
Levanto-me
uma criança nos braços da Terra
que sou Virgem e sou Terra
mãe e amante.
Levanto-me
carregando a mim mesma
como dádiva
talvez uma criança morta
antes de poder ser.
Virgem
sou a paixão
o sol cegante
saída de Leão.
Virgem
carrego nos braços
a mim mesma
criança
morta na Balança
inexorável
do tempo.



fig: eu, em montagem de Sil Sabóia
Dalva Agne Lynch
Enviado por Dalva Agne Lynch em 01/09/2008
Alterado em 26/06/2016
Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Endereço da autora na REBRA